Jandaia
— desde 1978 —

Por vezes, para perceber a génese de uma marca, precisamos de recuar substancialmente no tempo e entender a correlação dos acontecimentos. No caso da sapataria Jandaia, com escritório na rua dos Lagares d’el-Rei, nº 19, em Lisboa, é necessário recuar até à meninice de Domingos Brandão. Filho de sapateiro, cedo teve contato com o mundo de produção de calçado através do trabalho fabril. Complementou esta aprendizagem com estudos em horário pós-laboral e, anos mais tarde, num rasgo de empreendedorismo, cria a sua própria fábrica de calçado em Oliveira de Azeméis, juntamente com três sócios. Esta proximidade, desde cedo, com os meios de produção, armava Domingos Brandão com o conhecimento de que o produto português tinha boa qualidade e uma possível aceitação no mercado nacional.

Mais tarde Domingos Brandão conhece Francisco Gomes da Costa, ligado à representação e comercialização de marcas de sapatos e pronto-a-vestir. Juntos idealizaram a marca Jandaia, sendo que o seu desenvolvimento ficou a cargo de um trabalho colaborativo entre Francisco Gomes da Costa e um designer gráfico, cujo fruto perdura até aos dias de hoje. Na senda destes acontecimentos, e motivado pela crescente procura por calçado nacional, Domingos Brandão vem para Lisboa e cria, em parceria com Francisco Gomes da Costa, a marca Jandaia em Agosto de 1978.

O nome "Jandaia" foi inspirado numa personagem da obra Gabriela, Cravo e Canela, cuja adaptação televisiva encantou Francisco Gomes da Costa, sendo representativo, tal qual a personagem, de cor, beleza e singularidade. Apesar do seu percurso o ter levado por outros meandros, Domingos Brandão nunca descurou nem tão pouco esqueceu as suas origens, o que permitiu ao par de empreendedores criar sinergias com a indústria de calçado do norte do país, assegurando deste modo uma qualidade ímpar. Durante os anos 90, a procura interna dessa mesma qualidade, a par e passo com uma conjuntura económica favorável, permitiu o desenvolvimento em pleno do negócio. A estratégia passou pela expansão de parcerias para englobar outras unidades de produção nacional, resultando na abertura de mais lojas em Lisboa.

Em 1994, Isilda, filha de Domingos Brandão, passa a integrar a sociedade e mais tarde, João Amorim torna-se também sócio. Será esta 2ª geração de sócios que assegurará a continuidade do negócio. Apesar destas mudanças, a marca apresenta valores imutáveis, com uma ampla oferta de calçado de qualidade. O trato familiar e a acomodação de alguns requisitos dos clientes são também muito apreciados por quem já faz da Jandaia sapataria de eleição. A título de exemplo mencionamos duas curiosas situações: Um cliente ficou de tal maneira mesmerizado com um modelo específico de sapato sem atacador, que encomendou imediatamente doze pares. Até ao presente dia, encomenda sempre vários pares do mesmo modelo. Outra cliente pediu para se intervir junto da produção, a fim de manterem em circulação um modelo de sabrina já retirado do mercado. A Jandaia foi além do que era pedido e acabou por fazer um molde personalizado para a cliente, para ela poder adquirir a sua sabrina predileta sempre que quisesse. Por fim, temos o caso do famoso sapato Luva, que, não obstante o seu ar “antiquado”, se tem mantido em circulação devido à sua qualidade, conforto e durabilidade inigualável.

Este é o percurso da marca até à data, e a julgar pelo sucesso, tudo aponta para que a Jandaia continue a acompanhar o quotidiano dos portugueses nos anos vindouros… e os nossos pés agradecem.
 
Jandaia

 

2018-06-20T15:54:24+00:00