Manteigaria Silva
— desde 1890 —

Quando é necessário recuar dois séculos para reconstruir o percurso de um estabelecimento comercial, sabemos que estamos perante uma casa com uma forte identidade histórica. Este é o caso da Manteigaria Silva, localizada na rua D. Antão de Almada , nº1C e D, em Lisboa, sendo que hoje nos debruçamos sobre a história do atual proprietário, José Branco. Originário do Porto, deixou para trás a terra natal com dezasseis anos para cumprir o serviço militar em Lisboa, onde acabou por ficar. Iniciou o seu percurso profissional nos queijeiros e armazenistas José Henriques e filhos, onde adquiriu competências sobre produtos alimentares e gestão. Com esta experiência alargada, José aventurou-se a abrir um negócio próprio, um armazém de bacalhau no Poço do Bispo, que acabou por ter como cliente a Manteigaria Silva. Desenvolveram uma relação comercial de proximidade e quando a empresa Martins Rebelo, detentora de 57% de cotas da Manteigaria, foi vendida, José adquiriu a sua parte. Com o decorrer dos anos, acabou por comprar as restantes aos outros sócios, até que por fim, a Manteigaria se tornou um negócio exclusivamente seu.

Mas façamos aqui um parágrafo para melhor compreender o passado deste estabelecimento.
O edifício histórico que alberga a Manteigaria, não obstante o seu longo percurso, já abriu as suas portas a outros negócios. Segundo nos é possível constatar, pelo menos dois outros negócios já fizeram do nº1C e D da rua D. Antão de Almada, a sua casa, respectivamente um matador de gado bovino e um talho. No ano de 1890, estabeleceu-se lá o presente negócio, sendo que já passou por várias mãos até aos dias de hoje. Contudo, é de assinalar que até à data, a traça original foi sempre respeitada. No que diz respeito ao aspeto, o edifício já sofreu várias alterações, mas José quer preservar a essência e a genuinidade arquitetónica que um comércio de rua apresenta. Concluiu, admoestando que se o edifício fosse dele, 'nunca o vendia'.

Esta vontade de preservação das coisas não incide só sobre o edifício. Para José é muito importante dar continuidade a este negócio de família e já olha para os seus netos, na esperança de que ganhem apego à casa, tal como aconteceu com o seu filho e a sua filha, anos antes.
A vida, contudo, também é feita de rupturas e o nosso comerciante, ao pegar no negócio em 29 de Dezembro 1989, viu por bem efetuar algumas alterações: focou-se menos na venda de pão e apostou mais em vinhos, nomeadamente vinho do Porto, e alterou a montra para refletir a mudança. Mais recentemente, foi criado um laboratório. Se a ciência é experimentação, então este laboratório faz juz ao nome, uma vez que consiste em efetuar provas de produtos com o staff e clientes mais antigos para darem o seu aval. Não haverá certamente melhor método para conhecer o que se vende, nem atitude que melhor defina a proximidade entre comerciante e cliente, que tanto apreciamos no comércio tradicional.  
Manteigaria Silva

 

2018-05-18T09:18:34+00:00